À medida que nossos corpos envelhecem, músculos e articulações podem se tornar rígidos, tornando os movimentos do dia a dia mais difíceis. Novos estudos mostraram que o mesmo é verdade nos nossos cérebros.

Investigadores do Wellcome-MRC Cambridge Stem Cell Institute estudaram os cérebros de ratos jovens e velhos para entender como o envelhecimento afeta um tipo de célula estaminal chamada de célula precursora de oligodendrócitos (OPCs).

Os OPCs são importantes para reparar a mielina – o revestimento gordo que envolve os nossos nervos, e que no caso da EM ficam mais lentos até pararem de responder.

Para descobrir se as alterações nos OPCs são reversíveis, os investigadores transplantaram OPCs de ratos mais velhos, que têm tecidos rijos, para os cérebros de animais mais jovens, com tecidos mais macios. Surpreendentemente, as células cerebrais mais antigas foram rejuvenescidas.

Os investigadores acreditam que isso pode ser causado por uma proteína chamada Piezo1, que ajuda as células a perceberem se o ambiente ao redor é mole ou rígido.

Para a equipa de investigação, liderada pelo Dr. Kevin Chalut e pelo professor Robin Franklin, estas descobertas têm implicações importantes para o tratamento futuro da doença, em particular na manutenção e recuperação de funções cerebrais.

 

Informação gentilmente cedida pela MS National Society.