A SPEM acompanhou a visita do Bastonário da Ordem dos Médicos ao Centro Hospitalar Tondela-Viseu, dando a sua perspetiva sobre o atendimento, condições e funcionamento hospital nomeadamente, na especialidade de Neurologia.

O coordenador da delegação distrital, entre outros aspectos, destacou a falta de capital humano. Os recursos humanos na especialidade de neurologia são poucos face ao número de doentes, com prejuízo para a qualidade dos serviços, para a diminuição do tempo de consulta e para depreciação da relação médico-doente.

O bastonário da Ordem dos Médicos também avaliou as condições que encontrou. Disse que a urgência do Centro Hospitalar Tondela Viseu (CHTV) é um “corredor com meia dúzia de salas” e defendeu uma solução “imediata” para o centro oncológico, que está numa “situação inacreditável”.

“Precisamos neste hospital de um serviço de urgência novo. Isto que existe atualmente não é propriamente um serviço de urgência, é um corredor com meia dúzia de salas, que nem sequer tem organização, nem condições de trabalho para as pessoas que lá estão, nem condições para os doentes que lá ocorrem”, disse Miguel Guimarães.

Miguel Guimarães está a fazer um périplo pelo país para conhecer in loco a realidade e os problemas existentes na saúde. A reunião com médicos e doentes servirão para elaborar um relatório a ser enviado para o Ministério da Saúde.

Da visita resultou o agendamento de uma reunião futura com a Diretora do Centro Hospitalar, Doutora Helena Pinto, para discutir assuntos relacionados com a EM e as falhas do serviço de neurologia.

tondela-viseu-hospital