Equipa do Instituto Superior Técnico esteve na delegação de Lisboa para mostrar um projeto inovador de reabilitação com base em jogos interativos.

O projeto AHA – Assistência Humana Aumentada – é uma abordagem inovadora, integrada e interdisciplinar que tem como objetivo desenvolver soluções tecnológicas aplicadas à saúde, em particular à reabilitação. Neste momento está em desenvolvimento uma nova plataforma de assistência robótica, com realidade aumentada, projetada para apoiar estilos de vida saudáveis, combater o sedentarismo e reabilitar pessoas com défices motores.

A plataforma sugere um conjunto de atividades lúdicas com objetivos terapêuticos, nomeadamente exercício físico (treino de mobilidade, cardiovascular e de força), estimulação cognitiva (atenção, memória e função) e funcionalidade, ao mesmo tempo que promove a autonomia e a interação social.

São os chamados “serious games” – jogos sérios que aliam o entretenimento aos objetivos terapêuticos definidos para o paciente. Os utentes do Centro de Atividades Ocupacionais foram desafiados a colher notas musicais de uma canção que ouviam, remar num Rabelo, pisar uvas na vindima, conduzir um carro de cesto da Madeira e jogar “pong”.

Todos os jogos têm objetivos diferentes que podem ser adaptados à capacidade física do doente e ao treino definido pelo terapeuta. Os jogos funcionam à base de reconhecimento corporal, interação facial, sonora e gestual. O paciente, motivado pelos desafios do jogo (exigência, pontuação, níveis de dificuldade, conquistas, competição entre pares) vai realizando exercício físico e estimulação cognitiva de forma quase despercebida. É possível ao terapeuta fazer uma avaliação do progresso do paciente e ao mesmo tempo ir ajustando as funcionalidades terapêuticas.

Na SPEM Lisboa, os utentes mostraram interesse nos jogos tendo participado ativamente na demonstração. A equipa disponibilizou um protótipo à SPEM para experimentação durante as próximas duas semanas e que se encontra à disposição nas instalações da sede nacional.

O projeto “AHA” é desenvolvido por equipas de investigação da Universidade Carnegie Mellon, do Instituto de Sistemas e Robótica do Instituto Superior Técnico, da Associação para a Inovação e Desenvolvimento da FCT-NOVA, da Faculdade de Motricidade Humana e do Instituto de Tecnologias Interativas da Madeira. Também conta com o apoio de empresas como a PLUX e a iDreams Robotics, que combinam inovação e investigação nas áreas de interação humano-computador, robótica, jogos sérios e computação fisiológica.