A primeira edição do Health Data Forum, uma cimeira que ocorreu online nos passados dias 7 e 8 de maio, reuniu um amplo consenso entre os mais reputados especialistas em dados em saúde, sobre a importância chave que os dados podem ter, quer no combate à COVID-19, quer na prevenção de próximas pandemias.

Organizada pelo Fórum Hospital do Futuro, esta cimeira teve o apoio da Devscope, da Glintt, da GS1 Portugal, da Novartis, da Sectra e da Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM).

As sessões contaram com a presença de 42 especialistas das áreas da saúde e tecnologia, bem como representantes de entidades públicas nacionais e internacionais, que identificaram diferentes perspetivas sobre o contributo dos dados nas várias áreas da saúde. Neste Fórum foi abordado o papel dos dados enquanto ferramentas para a prestação de cuidados de saúde, mas também como forma de monitorizar a saúde da população. Adicionalmente, foram equacionados diferentes contributos da associação da inteligência artificial à exploração de big data no setor da saúde, para a tomada de decisão e a redução das taxas de morbilidade.

Uma das principais conclusões do evento, segundo a organização, incidiu sobre a importância da colaboração entre o Estado, empresas e setor social para o desenvolvimento de projetos relacionados com a partilha de dados em saúde, com o objetivo de melhorar os cuidados ao paciente. Foi ressalvado que a partilha dos dados se deve fazer respeitando os requisitos de privacidade, hoje possível com base em algoritmos de anonimização e chaves encriptadas, e considerou-se que a segurança e a privacidade dos dados são uma vantagem competitiva da União Europeia.

Segundo comunicado do Fórum, “o contributo de vários representantes do Estado Português no evento permitiu concluir que o Governo mantém o seu compromisso com a transformação digital do país no setor da saúde, top-down, em todas as organizações da saúde e através dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde – o braço digital da saúde.”

A organização considera, ainda, que Portugal quer liderar um processo de transformação dos sistemas nacionais de saúde na União Europeia, que devem passar a ser centrados na gestão inteligente de dados em saúde.

André de Aragão Azevedo, Secretário de Estado para a Transição Digital, proferiu algumas palavras na sessão de abertura de dia 8 de maio, sobre a importância atual da tecnologia e dos dados para a saúde. Veja a sua mensagem aqui: https://youtu.be/WDuNzhtX0jc (em inglês).

 

Algumas ideias para o futuro do setor da saúde

 

As sessões de debate no Health Data Forum ofereceram pistas e caminhos sobre como a tecnologia e os dados poderão contribuir para o futuro da saúde e dos sistemas nacionais de saúde.

No painel debate com o tema “Terapias sob medida e adesão do paciente”, foi abordado o conceito de global data, que consiste na partilha de dados ao nível global, e foi reforçada a importância da “standardização” e da necessidade de se estruturar todos os dados com base numa plataforma comum e partilhada, para que todos possam falar a mesma língua – com o objetivo de chegar a respostas mais rápidas, à partilha de boas práticas ou terapêuticas de sucesso.  Paulo Gonçalves, Vice-Presidente da SPEM, esteve presente como orador neste mesmo painel e a sua apresentação pode ser vista aqui (em inglês).

Jonathan Gomez-Raja, Coordenador Científico da Fundesalud da Junta da Extremadura, orador do painel “Os desafios e as oportunidades para o atendimento domiciliar”, referiu o desenvolvimento de uma solução inovadora de telemedicina que está a ser testada na Extremadura, em Espanha. É implementada através de um robot interativo, pensado para um target de população mais idosa ou isolada, que, entre outras funções, emite alertas sobre as horas de medicação, monitoriza e faz a ligação para o contacto de emergência, se necessário. Esta iniciativa da Junta da Extremadura é uma resposta que vai de encontro ao que a SPEM defende como projeto de transformação e a apresentação de Gomez-Raja pode ser vista aqui (parte em inglês, parte em castelhano).

Como coorganizadora deste evento, a SPEM esteve presente na sessão de encerramento da cimeira, onde Alexandre Guedes da Silva, Presidente da SPEM, proferiu algumas palavras sobre a relação entre a recolha e tratamento de dados relacionados com a saúde, e a possível descoberta da cura para a Esclerose Múltipla, entre outras doenças. O vídeo pode ser visto aqui (em inglês), assim como uma breve intervenção realizada na Online Networking Session pode ser vista aqui (em inglês).

Pode saber mais sobre o Health Data Forum na página do evento e ver os vídeos dos oradores no seu canal de YouTube (os vídeos estão em inglês, mas podem-se acionar as legendas automáticas do YouTube no símbolo “cc”, escolhendo o idioma nas definições [roda dentada]).