EventoInformaçãoInternacionalInvestigaçãoSaúdeSPEMTecnologiaTratamentos

SPEM na génese de projeto internacional SOS-MS

By 2021-03-31 No Comments

O Standard Outcome Set for MS conseguiu encontrar um conjunto de métricas “que nos colocará mais perto de um modelo de saúde baseada em valor (VBH) para a Esclerose Múltipla”

 

Paulo Gonçalves, Vice-Presidente da SPEM, participou recentemente no ACTRIMS (Americas Committee for Treatment and Research in Multiple Sclerosis), envolvendo-se num “projeto da vanguarda de Value Based Healthcare na Esclerose Múltipla”, segundo avança Isabel Monteiro, National Value Strategy Manager na Roche, à SPEM.

O convite surgiu a partir da direção clínica da Roche Farmacêutica, a qual considerou que a SPEM tinha as características necessárias para conseguir dar um contributo relevante à iniciativa internacional.

O projeto internacional (aqui), no qual participam oito países, intitula-se por Standard Outcome Set for MS (SOS-MS), ou seja, tal não é nada mais, nada menos do que um Conjunto de Resultados Padronizados para EM.

Portugal deixou a sua marca e apresentou como representantes: um médico e especialista em saúde baseada em resultados (VBH – Value Based Healthcare) e Paulo Gonçalves – na qualidade de especialista em métodos quantitativos de avaliação de resultados e único participante enquanto Pessoa com EM.

Com este projeto conseguiu-se encontrar um conjunto de métricas comparáveis pelas equipas de profissionais de saúde a nível internacional, “algo que nos colocará mais perto de um modelo de saúde baseada em valor (VBH) para a Esclerose Múltipla”, afirma o representante da SPEM.

Segundo o Vice-Presidente, o Conjunto de Resultados Standardizados para a EM, do projeto SOS-MS, pode vir a ser utilizado para:

  • Melhoria da qualidade baseada em valor;
  • Resultados de benchmarking entre hospitais;
  • Investigação Científica (da vida real);
  • Informação de Pacientes;
  • Tomada de Decisões Partilhadas;
  • Contratação de Cuidados de Saúde.

Caso este modelo venha a ser adotado no futuro é importante salientar que a SPEM esteve na sua génese”, conta Paulo Gonçalves. “É ainda provável que venham a ser incluídos elementos tecnológicos na avaliação de dados da vida real – opção que não reuniu consenso até ao momento –, especialmente, porque todavia não reúnem unanimidade pelos reguladores”.